>UNILESTE

 
SUMÁRIO
I. CARACTERÍSTICAS DA PUBLICAÇÃO
II. PREPARAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE ORIGINAIS
OBSERVAÇÕES

I. CARACTERÍSTICAS DA PUBLICAÇÃO

 

1. A DOXA é uma publicação do Centro Universitário do Leste de Minas Gerais - Unileste-MG, de periodicidade semestral, que tem por objetivos:

a) divulgar estudos pertinentes às mais variadas áreas do conhecimento e de interesse das comunidades educacional, cultural, científica e tecnológica;

b) estimular o intercâmbio de informação científica entre as diversas áreas de conhecimento e entre diferentes instituições de pesquisa e

c) subsidiar e fomentar a produção científica na região do Vale do Aço - MG.

2. Para alcançar seus objetivos, a DOXA recebe, para análise do Conselho Editorial e possível publicação :

a) artigos científicos - relatos finais de estudos concluídos, em que são apresentados os objetivos, a metodologia empregada, discussão dos resultados obtidos e a conclusão, rigorosamente fundamentados;

b) comunicações - relatos sucintos de um estudo em andamento cujos resultados parciais, embora insuficientes para constituírem um artigo científico, são dignos de publicação ou de fenômenos observados cuja ocorrência não era esperada ou não foi planejada, requerendo, assim, a ampliação da discussão no meio científico para fomentar investigações futuras;

c) ensaios - relatos sobre um tema específico com alto nível de interpretação e julgamento pessoal do autor cuja argumentação madura, amparada em exposição lógica e reflexiva, dispensa o rigoroso e objetivo aparato de documentação empírica e bibliográfica;

d) resenhas ou recensões - relatos contendo apreciação breve de um livro ou de um escrito, estruturados conforme normas metodológicas.

3. Podem ser encaminhados à DOXA, para análise do Conselho Editorial e possível publicação, relatos elaborados individual ou coletivamente por pesquisadores independentes, do Unileste-MG ou vinculados a outras instituições de ensino, organizações e empresas.

4. Ao encaminhar seus relatos, os autores deverão estar cientes que:

a) a apresentação do relato para publicação implica em cessão de direitos autorais para a edição do volume da revista em questão;

b) o relato deve ser inédito e não poderá ser apresentado simultaneamente a outro periódico;

c) só serão analisados pelo Conselho Editorial os relatos que estiverem em consonância com o disposto na presente norma;

d) em caso de pesquisas que envolvam seres humanos, deve ser apresentado o nome do Comitê de Ética que autorizou sua realização;

e) caso o relato seja selecionado para publicação, a comunicação por escrito será enviada para o endereço apresentado;

f) os relatos não selecionados não serão devolvidos e

g) os conceitos e afirmações contidos em cada relato são de sua inteira responsabilidade.

5. O Conselho Editorial, constituído por profissionais do Unileste-MG e de outras Instituições de Ensino Superior, apreciará e avaliará os relatos recebidos, tendo em vista os seguintes aspectos:

a) maturidade da proposta - relevância social e teórica do tema escolhido, pertinência da questão à atualidade e originalidade;

b) conhecimento do tema - especificidade e adequação da bibliografia, análise correta da documentação, argumentação pertinente e capacidade de síntese;

c) metodologia - delimitação correta e clara da ação, pertinência do método adotado aos objetivos formulados, descrição precisa de procedimentos, técnicas e resultados, exposição lógica e estruturada conforme as normas técnicas, coerência entre o conjunto e as partes e exatidão nas referências às fontes e

d) redação - linguagem objetiva e clara , acessível ao público médio, em consonância com as normas ortográficas, sintáticas e semânticas da língua portuguesa e com as normas técnicas da ABNT .

6. Os relatos selecionados serão enquadrados, a critério do Conselho Editorial, nas seguintes seções da revista:

a) Temas em Debate - destinada, preferencialmente, a ensaios (letra c, de 2);

b) Artigos - destinada a artigos científicos (letra a, de 2);

c) Comunicações Diversas - destinada a comunicações (letra b, de 2);

d) Resenhas - destinada a resenhas ou recensões (letra d, de 2).

II. PREPARAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE ORIGINAIS

7. O relato deve ser redigido em língua portuguesa, estruturado e apresentado em conformidade com a edição mais recente da NBR 14724 , ressalvando-se o que é estabelecido a seguir (itens 7.1 a 7.12) para a DOXA.

7.1. Sua extensão não pode ser superior a 20 (vinte) folhas, formatadas de acordo com as especificações do item 5 da NBR.

7.2. O texto deve ser processado em software apropriado e plenamente compatível com o Microsoft® Word 2000 ou superior.

7.3. Não há necessidade de apresentar os elementos pré-textuais "capa" e "folha de aprovação" descritos como obrigatórios, respectivamente, nos itens 4.1.1 e 4.1.4 da NBR.

7.4. Não há necessidade de apresentar a ficha catalográfica, descrita como obrigatória no item 4.1.2.2 e a folha de rosto (4.1.2) será considerada apenas no anverso (4.1.2.1).

7.5. Na folha de rosto (4.1.2.1), é necessário:

a) na letra a, após o nome completo do(s) responsável(is) intelectual(is) pela obra), informar sua titulação acadêmica, cargo e/ou função na instituição e, no caso de coautoria, explicitar sua contribuição;

b) na letra e, após a identificação da instituição à qual o(s) autor(es) está(ao) vinculado(s) ou na qual o trabalho foi realizado (alínea e), informar o órgão financiador do estudo (se houver);

c) após a letra g, relativa à data de elaboração do relato, registrar o endereço postal completo do(s) autor(es), telefone, fax e e-mail (para uso exclusivo da Editoria).

7.6. O resumo na língua vernácula (item 4.1.8 da NBR) deve ser informativo e apresentado em parágrafo único com no máximo 200 (duzentas) palavras, seguido das palavras-chave ou descritores .

7.7. O resumo em língua estrangeira (item 4.1.9 da NBR) deve ser apresentado em língua inglesa (Abstract), com versão adequada dos termos técnicos, palavras-chave ou descritores nesse idioma.

7.8. No desenvolvimento (item 4.2.2 da NBR), apresentar seções adequadas à abordagem do tema e ao método e claramente identificadas .

7.9. As referências completas às obras citadas ao longo do texto (item 4.3.1 da NBR) não devem ser mencionadas em nota de rodapé.

7.10. Além do que consta no item 5.1 da NBR, relativo a cor e formato do papel, projeto gráfico e fonte, é exigido que :

a) seja utilizada ao longo de todo o texto a fonte Times New Roman tamanho 12 exceto nas citações e notas de rodapé, cujo tamanho deve ser 10;

b) o projeto gráfico seja simples, sem personalização de estilo, respeitando o disposto nos itens 5.2 (margem); 5.3 (espacejamento); 5.4 (paginação); 5.5 (numeração progressiva); 5.8 (equações e fórmulas) e 5.9 (ilustrações);

c) o comando de retorno de linha (tecla enter) seja utilizado exclusivamente no final dos parágrafos;

d) a adição de espaços extras ou obtenção de recuo da primeira linha, deve ser efetuada através dos comandos de formatação de parágrafo disponibilizados pelo processador e nunca através do comando de tabulação (tecla tab) ou da barra de espaços;

7.11. As citações (item 5.6) devem ser apresentadas conforme o sistema de chamada autor-data .

7.12. Ao inserir ou anexar ilustrações (item 5.9), é importante que:

a) quando produzidas por outros softwares, os arquivos resultantes sejam compatíveis com as versões mais recentes dos softwares de editoração;

b) quando obtidas através de processo de digitalização de imagens, possuam resolução superior a 400 DPI e estejam perfeitamente enquadradas;

c) independente do processo utilizado, o autor deve manter os originais consigo até que a revista seja publicada, para o caso de reapresentá-los à Editoria.

8. O relato produzido em consonância com esta norma deve ser encaminhado à DOXA pessoalmente ou através dos serviços postais, em envelope com a identificação completa do destinatário (ver endereço na página 4) e remetente, contendo:
8.1. três cópias impressas do arquivo eletrônico referente ao relato;
8.2. uma cópia do mesmo arquivo eletrônico utilizado para a impressão, em formato doc, salvo com denominação adequada em disquete de 3 ½" identificado por etiqueta que registre, além desta denominação, o título do artigo e o nome do(s) autor(es);
8.3. uma cópia do(s) arquivo(s) eletrônicos relativos a ilustrações (se houver), salvo(s) com denominação adequada no mesmo disquete do artigo, se o espaço for suficiente, ou em outros, etiquetados e identificados tal qual em 8.2 e
 
8.4. declaração do(s) autor(es), em uma via impressa e por ele(s) assinada, de que concorda com as condições expressas na presente norma, em especial o que dispõe sobre a cessão de direitos autorais (item 4.1) e autoriza a publicação de seu relato.
 

OBSERVAÇÕES:

1. As obras a seguir podem auxiliar os autores a redigir seus relatos em consonância com esta norma.

CASTRO, C. M. A prática da pesquisa. São Paulo: Mac Graw-Hill do Brasil, 1978. 156p.

______. Estrutura e apresentação de publicações científicas. São Paulo: Mac Graw-Hill do Brasil, 1978. 72p.

 

DEMO, P. Metodologia científica em ciências sociais. 3 ed. São Paulo: Atlas.

 

ECO, U. Como se faz uma tese. 10. ed. São Paulo: Perspectiva, 1993. 170p.

 

FRANÇA, J. L. et al. Manual para normalização de publicações técnicocientíficas. 4.ed. rev. e aum. Belo Horizonte: Editora UFMG, 1998. 213p.

 

GALLIANO, A. G. O método científico: teoria e prática. São Paulo: Harbra, 1979. 200p.

 

LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. A. Fundamentos de metodologia científica. São Paulo: Atlas, 1985. 238p.

 

MARCONI, M. A. Técnicas de pesquisa: planejamento e execução de pesquisa, amostragens e técnicas de pesquisa, elaboração análise e interpretação de dados. São Paulo, Atlas, 1982.

 

RUIZ, J. A. Metodologia científica: guia para eficiência nos estudos. São Paulo: Atlas, 1976. 178p.

 

SALOMON, D. V. Como fazer uma monografia. 2.ed.rev. São Paulo: Martins Pontes, 1993. 294p.

 

SEVERINO, A. J. Metodologia do trabalho científico. 20. ed. rev. e aum. São Paulo: Cortez, 1996. 272p. 80

2. Para que a linguagem seja objetiva e clara, o autor deve redigir um texto sem jargões, regionalismos, repetições, ecos, cacófatos, frases longas, orações intercaladas e partículas de subordinação e evitar o abuso de adjetivos e advérbios.

3. As Normas Técnicas da ABNT são encontradas, para consulta, em bibliotecas de universidades e instituições de pesquisa ou podem ser adquiridas no site da entidade www.abnt.org.br.

4. Norma técnica editada pela ABNT que dispõe sobre a estrutura e formatação para a apresentação de trabalhos acadêmicos. Esta norma prevê a aplicação de outras, que devem ser rigorosamente observadas, conforme o disposto em Referências Normativas, p. 1. (ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 14724: informação e documentação: trabalhos acadêmicos: apresentação. Rio de Janeiro: 2001).

5. A norma específica para tal é a NBR 6028.

6. A identificação clara destas seções facilita a compreensão do relato, daí a importância deste aspecto. Artigos devem conter, no desenvolvimento, seções dedicadas especificamente à descrição dos materiais e métodos utilizados no estudo, bem como à apresentação e discussão dos resultados obtidos. Estudos de caso, diferentemente, adotam seções destinadas à exposição da casuística e discussão. As demais comunicações, em geral, obedecem à seqüência lógica de exposição adotada nos artigos, sem, contudo, utilizar-se daquelas subdivisões.

7. A norma específica para tal é a NBR 6023.

8. Estas exigências visam minimizar problemas na editoração e impressão da revista.

9. A norma específica para tal é a NBR 10520. O sistema de chamada aqui adotado é descrito no item 5.3, página 3, dessa norma.

10. Os programas comumente utilizados para tal são o Corel DRAW, Adobe Page Maker, Quark X-Press, Ilustrator etc.

11. O autor deve adotar uma denominação que evite que seu relato seja confundido com outros documentos, no tramitar da análise. Sugerimos que use a palavra doxa, seguida de seu sobrenome e de seu primeiro nome, por exemplo: doxa_scolari_luis.doc e evite usar acentos ou símbolos que podem não ser reconhecidos em outros equipamentos.

12. Sugerimos que o autor denomine cada um destes arquivos acrescentando, ao nome dado ao artigo, a abreviatura da palavra que designa a ilustração, seguida do número que a identifica no texto, como por exemplo: doxa_scolari_luis_fig1.